Sexta-Feira, 24 de Novembro de 2017

Ítalo Lima

24 anos. Nasceu em Teresina-PI. Sobrevivente de angústias. Adora escrever sobre a solidão, ex amores, pinta angústias e aflições trazidas no peito. Formado em Publicidade e Propaganda, pós-graduando em Literatura e Linguística. Acredita piamente que somente a solidão te cura do outro. Vende quadros, autor do livro: Quando a gente se mata numa poesia (lançando na Bienal do Rio 2017).

Ver todas as colunas

É claro que vai doer



É claro que vai doer
Dias felizes não duram para sempre
Tem sempre alguém arrancando
Um pedaço imenso da gente
A linha amarrada no dente
Na porta amarela da cozinha
De quando criança era só um ensaio
Da dor que grita e ninguém cura
É claro que vai doer
A penetração primeira gera incômodo
E não há mordaça fria no mundo
Que apazigue a dor ardida no varal
Quando a gente sangra despedaçado
Catando os cacos de pele
Espalhados pelo chão da casa fria
Estilhaçados pelo ex que foi embora
É claro que vai doer
Quanto mais suplicamos amparo
Mas o fel da sutura aperta em carne viva
Ninguém amansa a solidão da gente
Esquecida debaixo da cama
A navalha na carne do abandono tortura
E é em vão tatear o aperto asmático
O tapete manchado de sangue
É quase impossível disfarçar
A escuridão também é crua
E nada apetece o pus escorrido na pele
É claro que vai doer
Mas a cidade envelhece repleta de placas
Dizendo que é proibido chorar.
 
(Ítalo Lima)









Dogus Comunicação

Sobre a Dogus Comunicação  |   Política de Privacidade  |   Receba Novidades  |   Acesse pelo Celular

Melhor Visualizado em 1200x900 - © Copyright 2007 - 2017, Dogus Comunicação. Todos os direitos reservados.