Domingo, 19 de Janeiro de 2020

13/1/2020 - Osasco - SP

Osasco celebra os 110 anos do 1° voo na América Latina




da assessoria de imprensa da Prefeitura de Osasco

Na quarta-feira, 8/1, a Prefeitura de Osasco realizou a 122ª Edição do “Programa Nossa História” na frente do Osasco Plaza Shopping, no Calçadão da rua Antonio Agú. O evento relembrou os 110 anos do 1º voo no Brasil e na América Latina, realizado na cidade no dia 7 de janeiro de 1910 pelo engenheiro francês Dimitri Sensaud de Lavaud.

Ao som do Hino Brasileiro tocado pela banda do 2° Batalhão de Polícia do Exército, foram hasteadas as bandeiras do Brasil, Itália, França e do Estado de São Paulo. Participaram da ação familiares de Dimitri e de Lourenço Pelegatti.

Osasco_1578686969_[36]

O VOO

O marco para a aviação brasileira aconteceu por volta das 5h50 da manhã do dia 7/1/1910. Decolando do hangar construído no quintal de sua casa, na Avenida dos Autonomistas, o engenheiro conseguiu voar cerca de 103 metros, numa altura que variava entre 2 e 4 metros. Apesar de durar seis segundos, o voo foi o suficiente para marcar a história de Osasco.

O AVIÃO

Dimitri, com a ajuda do auxiliar mecânico Lourenço Pelegatti, conseguiu montar o próprio avião batizado de “São Paulo”. Todas as peças do aeroplano foram fabricadas no país com materiais nacionais. A hélice possuía 2,1 cm de diâmetro e 30 cm de largura, o esqueleto do avião 10,2m de comprimento por 10m de largura, era feito de sarrafo de pinho e peroba, além de um motor de seis cilindros.

DIMITRI SENSAUD DE LAVAUD

Nascido na Espanha e de ascendência francesa, Dimitri foi um engenheiro, inventor e aviador. Veio morar em Osasco em 1898 trazido pelo pai, Evariste Sensaud de Lavaud. Casou-se com a brasileira descendente de franceses, Bertha Rachoud, com quem teve três filhos: Georgeth, Robert e Gabrielle.

Com mais de mil patentes registradas, ele revolucionou a indústria mundial de tubos metálicos e trouxe inovações para as indústrias automobilística e da aviação.

Após naturalizar-se brasileiro, em 1916, mudou-se para o Canadá, onde permaneceu por alguns anos até transferir-se para a França, onde viveu a partir da década de 1920. Dimitri faleceu em 1947 em Paris, após sofrer dois infartos.

 



Comunicar erro nesta notícia

Se você encontrou erro nesta notícia, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente ao Osasco Fácil.


Enviar esta notícia por email



Dogus Comunicação

Sobre a Dogus Comunicação  |   Política de Privacidade  |   Receba Novidades  |   Acesse pelo Celular

Melhor Visualizado em 1200x900 - © Copyright 2007 - 2018, Dogus Comunicação. Todos os direitos reservados.